Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Catedral de São Basílio, Moscovo, Rússia

Mäyjo, 03.07.16

Catedral de São Basílio.jpg 

Situada na Praça Vermelha em Moscovo, a Catedral de São Basílio foi construída em 1555 para celebrar a vitória de Ivan, o Terrível, sobre os mongóis.

 

Diferente das tradicionais igrejas cristãs austeras, pouco iluminadas e monocromáticas, a Catedral de São Basílio é multicolorida e não se assemelha a um templo religioso, pelo menos não com os que estamos acostumados a ver. A Catedral pertence à Igreja Ortodoxa Russa e a sua beleza é tão exuberante que mais parece um castelo de conto de fadas. As suas nove cúpulas em azul, branco, verde, amarelo, vermelho e dourado são hipnotizantes e a sua localização contribui ainda mais para o fascínio de uma das praças mais famosas do mundo, a Praça Vermelha. A sua história é tão fascinante quanto sua beleza.

 

Foi construída entre os anos de 1555-1561 sob as ordens de Ivan, o Terrível, para comemorar a reconquista das cidades de Kazan e Astrakhan que estavam sob domínio dos tártaros-mongóis. Tornou-se dos símbolos mais famosos da Rússia e, com os seus 47,5 metros, foi o edifício mais alto da cidade até à conclusão da Torre de Ivan, em 1600. O edifício original, conhecido como Igreja da Trindade, continha oito igrejas laterais dispostas em volta de uma nona igreja. A décima igreja foi erguida em 1588 sobre o túmulo do santo local, o venerado Vasily (Basílio).

Conhecida como um pedaço do céu na Terra, como acontece com todas as igrejas na cristandade bizantina, São Basílio foi popularmente chamada de a “Jerusalém” e serviu como alegoria do Templo de Jerusalém no desfile anual do Domingo de Ramos com a presença do Patriarca de Moscovo e do czar.

 

O edifício tem a forma da chama de uma fogueira subindo para o céu, um projeto que não tem análogos na arquitetura russa. Dmitry Shvidkovsky, no seu livro Arquitetura da Rússia e o Ocidente, afirma que “é como nenhum outro edifício russo. Nada semelhante pode ser encontrado em todo um milénio de tradição bizantina do século V ao XV [...] uma estranheza que surpreende pelo inesperado, complexidade e pelo brilho dos múltiplos detalhes de seu design.” A catedral é o clímax da arquitetura nacional russa no século XVII. Como parte do programa de ateísmo do Estado Soviético a igreja foi confiscada à comunidade ortodoxa russa pela antiga União Soviética tendo sido convertida numa divisão do Museu Histórico do Estado desde 1928. A igreja tornou-se Património Mundial da UNESCO em 1990 como parte do Kremlin de Moscovo e da Praça Vermelha. Muitas vezes é confundida com o próprio Kremlin devido à sua localização na Praça Vermelha.

 

Fontes: Quatro Cantos do Mundo, A Próxima Viagem

Foto: Deposit Photos

 

1 comentário

Comentar post